viagem ao infinito em mim

16 de julho de 2017

Lisboa, 16 de Julho de 2017

Aproveito essa experiência intensa de morar aqui para escrever algumas coisas que passam pela minha cabeça.

A condição de estar sozinha, vivendo o desconhecido, me inspira. Estar assim, sem controle do que vai acontecer, nadando nas águas escuras do não saber, me proporciona um mergulho para dentro, em paisagens que nunca estive antes.

A solidão é minha melhor amiga. Estar comigo, ser inteira e a única pessoa com quem posso contar é uma dádiva e um desafio. Céu e inferno andam de mãos dadas na beira do abismo que é viver integralmente cada sofrimento, cada medo, cada alegria e cada dia. Um dia após o outro. Passos largos rumo ao não saber. E quem é que sabe?

Vou me descobrindo. Escancarando minhas manias, vícios e procurando refúgio nos lugares que já conheço profundamente. Sinto que há algo desabrochando, uma pessoa nova que precisa vir à tona. É hora de nascer. É hora de dar adeus ao que foi.

Um bilhete de ida rumo ao abismo do desconhecido. Boa viagem.

 

do livro Leite e Mel, de Rupi Kaur

do livro Leite e Mel, de Rupi Kaur