a importância de ser imperfeito (#8)

17 de outubro de 2016

Falo palavrão demais. Sou preguiçosa. Impaciente. Reativa. Impulsiva. Intensa. Sincera – até demais.

 

Sou imperfeita. Sou incompleta. Sou um quebra-cabeça faltando uns pedaços. Mas nem por isso sou menos. Ou mais.

 

É nesse conjunto de imperfeições e qualidades que me formo. Que construí – e continuo construindo – minha vida e minha personalidade.

 

Já me julguei por não dar conta de resolver minhas imperfeições. Já me julguei por querer ser alguém que eu não sou. Já passei por todas as paranoias corporais possíveis e imagináveis. Meu sonho era ter pernas finas. Meu sonho era não usar óculos. Meu sonho era caber. Em qualquer molde, em qualquer rótulo.

 

"não deixe a sociedade te rotular"

“não deixe a sociedade te rotular”

 

Meu sonho era. Não é mais.

 

Não desisti de ser melhor. Nem de me cuidar. Nem de buscar em mim a referência que eu tanto quero ser.

 

Parei de querer caber. Parei de tentar me encaixar nos moldes que não foram feitos nem por e para mim.

 

Sou uma pessoa em constante reparo. Deve ser muito chato ter todas as respostas da vida na ponta da língua.

 

E nessa de querer se descobrir, acabo esbarrando na Júlia que eu já fui e na Júlia que eu quero ser. Percebo que algumas atitudes já não fazem sentido. Não é tão mais legal ser reativa, agressiva, preguiçosa. Não é tão legal fazer piada com o meu peso, com as minhas manias ou com a minha compulsão alimentar. Não é tão legal ser a piada.

 

Mas daí que vem a importância de sermos imperfeitos e reconhecermos isso: temos a chance de voltar atrás. De tentar de novo. De voltar pro reparo. De trocar de atitude e decidir ir por outro caminho. Se temos a humildade de reconhecer nossos fracassos e imperfeições, temos a grandiosa possibilidade de tentarmos de novo. E de novo. E de novo. Quantas vezes forem necessárias.

 

Continuo imperfeita e mesmo assim, me amo e me aceito. Desejo que você sinta a mesma empatia pela pessoa incrível que você é.

 

"e desse jeito, eu me permiti ser livre"

“e desse jeito, eu me permiti ser livre”