como consumir moda conscientemente?

25 de agosto de 2015

Um dos meus últimos textos aqui no blog, o quem paga o preço das suas roupas?, teve uma repercussão maior e mais positiva do que eu esperava. Muito obrigada a todos que comentaram, compartilharam e discutiram o assunto comigo! <3

Mas, dessa vez, vamos trazer o assunto pro cotidiano? Afinal, como consumir moda conscientemente? 

Separei algumas dicas práticas e possíveis. Olha só:

Planeje suas próximas compras

Sabe aquela lista de compras do mercado? Já pensou em ter uma planejando as próximas compras de roupas? Depois de fazer uma limpeza no guarda-roupa, dá pra elaborar uma listinha de possíveis compras; aquele tipo de peça que REALMENTE vai fazer diferença no que você já tem. Lembre-se que a impulsividade é inimiga do consumo consciente! 

 

 

Compre menos e melhor

Tem uma frase que define bem esse conceito: QUANTIDADE é diferente de QUALIDADE. 

Ao invés de optar por comprar 4 camisetas de R$25 de procedência desconhecida, que tal investir seu dinheiro numa camiseta de uma marca legal, que tenha a ver com o seu estilo, que vista bem e que tenha uma ótima durabilidade? Mesmo que você pague a mais por ela, não faz mais sentido ter uma peça de qualidade, que vai durar mais que aquelas quatro do primeiro exemplo?

Conheça as marcas que você usa

A internet hoje nos proporciona muito além de entretenimento: é também lugar de muita informação!

Tem dúvida sobre a procedência daquela marca que você tanto ama? Só dar uma pesquisada rápida sobre ela usando os termos marca + trabalho escravo, marca + exploração de trabalhadores, marca + qualidade, marca + projetos. A busca pode trazer boas e más surpresas. Mas o fato de sermos consumidores mais ativos, preocupados com o impacto das nossas escolhas é o primeiro passo para que as marcas também pensem em mudar sua postura.

Existe um aplicativo gratuito chamado Moda Livre (disponível para IOS e Android) que mapeia 45 marcas e suas relações com trabalho escravo, transparência com o mercado, políticas para combater a exploração em sua cadeia de produção e medidas adotadas para prevenir esse tipo de conduta.

2

Também dá pra procurar e mapear marcas do bem. Existem ótimos blogs e sites sobre o assunto e todos eles possuem ótimas indicações que vão de roupas e acessórios até artigos para a casa.

Os que eu mais acesso são:

MODEFICA

ROUPA LIVRE

TROCARIA 

OFICINA DE ESTILO

Compre de quem faz

As meninas do Oficina de Estilo escreveram um ótimo texto sobre o assunto, e eu aproveito para dar minha contribuição também.

Comprar de pequeno produtor, do micro-empreendedor, daquela senhorinha do bairro que você conhece há anos, ou daquela amiga que largou tudo para seguir o sonho de abrir sua própria marca de acessórios movimenta a economia local, incentiva outros pequenos produtores, além de ser um consumo mais ético e responsável.

A plataforma de vendas online Tanlup tem o movimento Compro de Quem Faz, que incentiva os consumidores a comprarem desses pequenos produtores. Eles, inclusive, tem uma variedade bem legal de lojas. Vale a pena a pesquisa!

branco

E quando não dá pra evitar?

Compre apenas o que você realmente precisa. Fazer compras não é terapia. Se você usa o cartão pra esquecer ou fugir de um problema, sinto muito: você acaba de ganhar um novo problema. Comprar pode até proporcionar um sentimento de alegria num primeiro momento… mas o seu problema não será resolvido com a nova sacolinha! Pense nisso da próxima vez.

Reflita sobre seus valores

Avalie sempre que possível os princípios que guiam suas escolhas e seus hábitos de consumo. Pensar onde, como e porque vamos gastar nosso tão suado dinheiro é, além de tudo, reconhecer e valorizar nosso esforço. Avalie o impacto das suas aquisições.

Vamos conversar mais? Que tipo de atitude consciente você já tem?

Beijos!