você não precisa dar conta de tudo (#5)

14 de outubro de 2016

Escrever isso pra mim soa como uma mantra. Eu vivo repetindo essa frase na minha cabeça, tentando não me sobrecarregar de projetos, ideias malucas, encontros e sonhos de consumo e de vida.

 

Atualmente estou passando por uma fase estranha. Profunda. Altamente filosófica. E enfiando de vez na cabeça que eu não preciso dar conta de tudo. Eu não preciso ser uma super mulher. Não preciso ser uma empreendedora de sucesso. Não preciso ser a melhor profissional. Não preciso ter o corpo maravilhoso. Não preciso ser produtiva, disciplinada, perfeccionista e crítica todo tempo.

 

Essa cobrança enche o saco, sobrecarrega nosso tempo e nossos pensamentos e, pior de tudo, só nos dá mais motivos para ficar ansiosa e se sentindo mal por não ser completa. Acho que ninguém precisa de mais uma carga de ansiedade pra carregar nas costas.

 

No meu caso, ter que repetir esse mantra diariamente deixou de ser uma opção. Por querer dar conta de tudo sempre, a conta chegou. E eu não tenho como bancar a consequência de competir comigo mesma, sempre aumentando a meta quando eu já via a linha de chegada. Uma espécie de auto-boicote. Correr sempre atrás do próprio rabo, sempre por mais. Mais do que?

 

Pra entender o que nos move é preciso deixar as referências externas no mudo. Desliga notificações. Desmarca coisas que podem esperar um pouco. Sai do Facebook e do mundo mágico e irreal das redes sociais. Para. Respira. O coração tá acelerado, eu sei. Você tem um monte de coisas pra fazer, eu sei. Mas respira. Senta. Fica em silêncio. Um minuto. Deixa o mundo esperar. Você não precisa estar disponível toda hora. Você pode parar. Pode respirar. Pode pensar.

 

Quando você se escuta, sabe o que aquela voz, lá no fundo quer te dizer. Não a voz que te cobra, te enche de tarefas e te bota pra baixo. Aquela voz baixinha, serena, que vem de dentro, dá um calorzinho gostoso no peito, que te quer bem. No fundo você sabe a verdade. Sabe o que te move. O que te faz feliz. Sobre que assunto você quer dar conta e quais são prioridade dos outros – não suas.

 

Esvazia o peito. Tira a aflição, o medo, a cobrança da frente. Tira essa culpa surreal que você carrega e nem sabe porque. Tira essa expectativa exagerada que você tem dos outros e de você mesma. Você dá conta. O pior não vai acontecer porque, quando e SE acontecer, você vai dar conta. Permita-se ficar triste, alegre, calma. Permita-se chorar, rir, gritar. Permita-se. Simplesmente permita-se ser quem você é.

Ilustração de Cecile Dormeau

Ilustração de Cecile Dormeau

 

Eu não preciso dar conta de tudo. Você não precisa dar conta de tudo.

 

E tá tudo bem.

Tags: